Trabalho mais difícil do mundo

O que você faz para viver? Trabalha em quê? Alguns trabalham muito e ganham pouco. Outros, trabalham pouco e ganham mais do que o suficiente para viver uma excelente vida. Mas você é valorizado por tudo que você faz? A cada ação tomada e projeto realizado você recebe um tapinha nas costas, um reconhecimento ou algum sinal de gratidão?

Se você pensar direito, reconhecimento não é algo muito comum em várias empresas. Você é pago para fazer e se “não estiver feliz, contrataremos outro que ficará”. Mas e quem não ganha nada trabalhando, como fica?! Hãm! Se perdeu?! Não, não estou falando de escravidão não, isso é doentio, estou falando de pessoas que trabalham e não recebem dinheiro como retorno… Se não entendeu nada, assista o vídeo abaixo e reflita!

 

Alguns pais e mães ficam bolado com esse negócio de trabalhar ou não quando o bebê ainda é pequeno. Se dedicar a carreira ou família e etc… Eu conheço pessoas que optaram pelas duas opções e nenhuma delas se arrependeu de suas escolhas. Creio que o ideia é o que optar por fazer, fazer bem feito. E se você optou por ficar em casa, trabalhando em prol da sua família, não se envergonhe ou se sinta discriminada. Ou você que trabalha horas e horas para dar uma vida melhor para seu filho(a), quase não o vê, mas o ama, não se sinta culpado ou menos obrigado a ajudar na estruturação familiar. Não julgo ninguém, o ideal e o que eu busco é um meio termo, uma medida de tempero, para prover para minha família e ao mesmo tempo ser parte dessa família.

Não aponte o dedo para as opções dos outros, olhe primeiro para a sua própria escolha. Se funcionou com você, não significa que funcionará com outros. Famílias tem dinâmicas diferentes e membros diferentes. Seja sensato!

Fica aqui minha homenagem à todas as “Diretores(as) de Operações” espalhados pelo mundo.

s2

Leia Mais

O Ursinho Elo

Sou meio duro na queda, não me emociono fácil não. Mas esse projeto/vídeo fizeram meus olhos suar kkkkkkkkk

O Hospital Amaral Carvalho (Jaú/SP) a mais de uma mês está utilizando o Ursinho Elo para aproximar os pequenos pacientes aos seus amigos e familiares. O Ursinho recebe mensagens de voz pelo Whatsapp, ou seja, uma mãe, pode mandar mensagens de afeto e amor para seu filhote que esteja internado, e ele pode ouvir as mensagens quantas vezes quiser. O intuito dos médicos era dar suporte afetivo aos pacientes que combatem o câncer e tem baixa imunidade e por isso vivem grande parte do tratamento isolados.

Em menos de um mês com o projeto ativo, os médicos já estão satisfeitos com os resultados que os ursos trouxeram aos pequenos pacientes. O material do “Elo” não é tóxico e é anti alérgico. Após a alta do paciente, eles apagam as mensagens, higienizam o ursinho e guardam para uma nova internação, eles tem a meta de dar os ursos de presente para os pacientes, estão lutando para confecção de novos “Elos”, pois as crianças se apegam muito ao bichinho.

Chega de blablabla, fiquem com o vídeo e comentem o que acharam!

 

 

Leia Mais

Um aviso aos novos pais

Vários amigos tiveram seus filhotes esse ano ou no fim do ano passado (2013). Todos pais de primeira viagem, assim como eu (em 2012). É muito engraçado rever as aflições, medos, receios e a adaptação desses novos pais. E digo engraçado, não por ser um amigo FDP, mas por saber, que ser pai é uma construção constante, com acertos e erros, torço para que mais acertos do que erros!

Vejo meus amigos sofrendo com noites mal dormidas, na maioria deles, ajudando suas esposas, trocando fralda com xixi e cocô, dando banho, levando ao Pediatra, acompanhando nas vacinas e etc. Não que isso seja algo extraordinário, coisa de herói, longe disso, ser presente é obrigação de qualquer pai na minha opinião, porém, é importante apontar essa mudança social.

Outro exemplo são os blogs, canais de youtube e etc, na maioria são maternos, mas a cada dia, aparecem mais pais querendo compartilhar suas experiências, seja no facebook, instagram ou em qualquer outra rede social. Isso é um avanço.

Óbviamente, existem casos diferentes, não à regras para conduta dos pais. Alguns trabalham feito doidos (50~60h semanais) para dar o melhor aos seus filhos, mas infelizmente perdem a essência da paternidade, as pequenas coisas e importantes, as lembranças. Longe de mim julgar, pelo contrário, eu optei por ser presente na vida do Nico, posso pagar caro pela minha escolho lá na frente, mas no momento não me arrependo. Ele não tem um berço de ouro, mas tem pai ao lado quando precisar! Mas isso é assunto para outro post.

Voltando ao tema principal do post, novos pais, as noites mal dormidas, as malditas cólicas, as preocupações, resfriados e etc, virão, pois são fases que todos temos que passar, inclusive a criança, pois a vivência nos ensina, nos traz sabedoria. Um amigo me confidenciou que no parto de sua filha se sentiu deixado de lado pelos médicos e enfermeiros do hospital (uma excelente maternidade, por sinal), faltava informação, faltava um preparo para lidar com o outro lado da moeda, óbvio que ele não queria torrada e patê de presunto, champanhe e ostra, ele queria apenas ser tratado como um pai, cheio de dúvidas, medos e etc, assim como sua esposa, porém sem as contrações e nem o barrigão rsrs. Me entendam, ele não queria ser bajulado, ele queria apenas estar por dentro de como estava sua esposa e filha. O atendimento para sua esposa e filha foi impecável, mas ele foi “esquecido”. Conversamos na maternidade e chegamos a conclusão de que ele sofreu um ato de machismo social. “Ah o pai nem liga para essas coisas mesmo, foda-se ele!”, “O pai só tá ai para ver o parto mesmo, foda-se então…”, existem pais que não dão a mínima? Com certeza existem, mas não é por isso que TODOS os pais devem ser tratados como se não dessem a mínima para a situação de suas esposas e filhos.

Para as mães, fica também o meu recado, amamentação é algo importantíssimo para o bebê, seja paciente, persista, porque o bem que isso fará ao seu filho é inigualável. MAAAAAAASSSSSSS, se tudo der errado, paciência! Você não é menos mãe porque não amamentou por muito tempo, assim como a paternidade, a maternidade é uma construção, que vai desde a concepção até o fim da vida, até os recados na geladeira “Vai chover, leve o guarda chuva!”, “Não esquece de tirar a roupa do varal”, “filho te amo, tem comida na geladeira, só por nos microondas!” e assim por diante. Nada se compara com o ato de ter um filho(a), ser responsável por outro de uma maneira tão instintiva, um laço de dependência gigantesco entre mãe, pai e filho.

Aqui fica meu aviso, não é fácil, mas vale a pena!  

E você, já sofreu algo do tipo!? Compartilhe comigo sua experiência.

 

Abraços!

Leia Mais