Trabalho mais difícil do mundo

O que você faz para viver? Trabalha em quê? Alguns trabalham muito e ganham pouco. Outros, trabalham pouco e ganham mais do que o suficiente para viver uma excelente vida. Mas você é valorizado por tudo que você faz? A cada ação tomada e projeto realizado você recebe um tapinha nas costas, um reconhecimento ou algum sinal de gratidão?

Se você pensar direito, reconhecimento não é algo muito comum em várias empresas. Você é pago para fazer e se “não estiver feliz, contrataremos outro que ficará”. Mas e quem não ganha nada trabalhando, como fica?! Hãm! Se perdeu?! Não, não estou falando de escravidão não, isso é doentio, estou falando de pessoas que trabalham e não recebem dinheiro como retorno… Se não entendeu nada, assista o vídeo abaixo e reflita!

 

Alguns pais e mães ficam bolado com esse negócio de trabalhar ou não quando o bebê ainda é pequeno. Se dedicar a carreira ou família e etc… Eu conheço pessoas que optaram pelas duas opções e nenhuma delas se arrependeu de suas escolhas. Creio que o ideia é o que optar por fazer, fazer bem feito. E se você optou por ficar em casa, trabalhando em prol da sua família, não se envergonhe ou se sinta discriminada. Ou você que trabalha horas e horas para dar uma vida melhor para seu filho(a), quase não o vê, mas o ama, não se sinta culpado ou menos obrigado a ajudar na estruturação familiar. Não julgo ninguém, o ideal e o que eu busco é um meio termo, uma medida de tempero, para prover para minha família e ao mesmo tempo ser parte dessa família.

Não aponte o dedo para as opções dos outros, olhe primeiro para a sua própria escolha. Se funcionou com você, não significa que funcionará com outros. Famílias tem dinâmicas diferentes e membros diferentes. Seja sensato!

Fica aqui minha homenagem à todas as “Diretores(as) de Operações” espalhados pelo mundo.

s2

13 comentários em “Trabalho mais difícil do mundo

    1. As vezes julgar é mais fácil né My, o difícil mesmo é quando somos nós que somos julgados. Cuspir para cima é algo realmente perigoso… rs…

      Atualmente, penso e repenso para comentar algo que acho errado… em outras palavras, julgar né… kkkkkkkk Mas admito que erro ao fazer.

  1. “Diretores(as) de Operações” hahaha os “Boni” da vida, né? haha
    Velho, penso o mesmo. Acho que cada macaco no seu galho, saca.
    Há quem possa ficar em casa, outros que não… Ambos devem ser respeitados.
    Abração

  2. Uepa! Eu adorei esse vídeo quando vi! E mais ainda nesse contexto.

    A individualidade realmente deve ser respeitada e observada, assim como cada criança é uma criança, as situações, necessidades, demandas… tudo é único, e os pais devem sempre ver o melhor para a família, o melhor para eles! Já fui condenado e também já fiz coisas por pitacos de outros, e se converteram em frustrações.

    Então o esquema é realmente seguir o que acredita! E trabalhar bem nesse trabalho mais recompensador do mundo! <3

  3. Esse vídeo é incrível!

    Eu não tive escolha, precisei voltar a trabalhar para complementar nossa renda aqui em casa, mas se eu pudesse escolher, certamente, ficaria um tempo em casa cuidando do meu filho. A ideia de não conseguir acompanhar o crescimento dele de perto me chateia, mas infelizmente a realidade é outra.

    Abraços.

    1. É isso que eu sempre comento, as vezes o que queremos nem sempre é o que podemos ter. Mas o que realmente importa é o fato de no tempo que você tem com seu pequeno, seja um tempo valioso, que você passe junto com ele, brincando, conversando, conhecendo-o e acima de tudo, seja um tempo que o afeto fala mais alto do que qualquer bem material. Não se pode substituir o afeto por nada.

      Continue acessando o blog.

      Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *