Somos grande?

Quem acompanha o blog a algum tempo, sabe que sou meio “cabreiro” com feriados (comerciais), e o dia dos pais é um desses feriados vendidos, com um pano de fundo nobre, mas manchado pelo consumo, na minha opinião, é claro!

Enfim, hoje é segunda feira, e para continua sendo o dia dos pais, mães, índios, árvores e etc… o mundo continua girando e em alguns lugares desse mesmo planeta, nem foi dia dos pais! kkkkkkkkk mas a paternidade e maternidade são universais e seu legado incomparável.

Ontem vi um episódio da “nova” série Cosmos: Uma Odisséia do Espaço-Tempo com o Astrofísico Neil deGrasse Tyson. No primeiro episódio ele fala sobre o nosso endereço cósmico, ou seja, em qual momento do tempo e espaço nos estaríamos localizados se o universo, desde a sua criação até a leitura deste post, fosse colocado em um calendário, do tipo que conhecemos hoje. Sendo 1º de Janeiro o Big Bang. Sabe onde a raça humana estaria localiza? 31 de Dezembro Hora 22.30.00 PASMEM! E eu não estou falando de humano que usam celular e navegam na internet, estes estão localizados no último segundo do ano novo…

Vale a pena assistir essa série, tanto a nova quanto a antiga, do Carl Sagan.

A civilização “em menos de 2 segundos” conseguiu modificar o planeta, criar cultura e viver em sociedade. E creio que a família foi a base primordial desse desenvolvimento. Por isso valorize a sua família, mesmo que ela seja “torta”, todos temos defeitos, o que temos que aprender é a conviver com as diferenças.

Ver essa série me mostrou o quanto somos pequenos em comparação com o universo, vivemos num planeta entre trilhões de outros. É lindo e ao mesmo tempo esmagadoramente angustiante. Por isso a cada dia vivo mais a minha vida e menos a dos outros, foco mais nos meus sonhos e anseios e menos nos problemas que persistem em nos perseguir.

Sol

Uma excelente semana à todos.

 

 

Trilha do post

 
Bjs

Leia Mais

Olha o segundo ano aí gente!

É engraçado as fases que passamos em todo o processo de paternidade. Quando casei, Naty e eu combinamos NADA DE BEBÊ! A fase da negação! Vamos ser apenas nós dois, vamos viajar, conhecer o mundo, ser ricos e etc… conseguimos manter esse pensamento por um ano, quase dois. Quando vimos que nunca viajamos, ficamos mais pobres e que a casa estava vazia demais, não conseguimos resistir. Parecia que as crianças nos seguiam, no cinema, no parque, na rua, no trânsito; e nunca eram crianças mal educadas, chiliquentas e birrentas,  eram sempre crianças de novela, educadas, padrão Fifa! Porque afinal, não teríamos um filho assim, saberíamos educá-lo para nunca causar no shopping, por exemplo. (kkkkkkkkkkkk Doce ilusão!)

 Resolvemos ter um herdeiro para as nossas dívidas! Fizemos os exames, tudo OK, Naty engravidou, começou então a fase da tensão (não é tesão não, mas pode ser… kkkkkkkk) Pensamentos em sua maioria ruins, medos, aflições “como vai ser?”, “será que daremos conta?”, “teremos dinheiro?” , “normal ou cesariana?” e etc. Milhões de dúvidas, que na maioria o Sr. Google nos ajudou a resolver (com fontes de confiança, é claro!). Era engraçado como as dúvidas nunca terminavam, pois a resposta das dúvidas anteriores geravam mais dúvidas. No fim deu tudo certo.

 Nico nasceu, começa então a fase do “é uma fase”… CÓLICAS, malditas cólicas! Até os 2 meses Nico não havia tido cólicas, dormia a noite inteira, quando as cólicas começaram! DEUS DO CÉU! Foi tenso, mas era apenas uma fase, que durou mais do que deveria, porém já terminou!

 Nico se desenvolveu e continua na velocidade da luz! É realmente incrível o nível de evolução daquele pequeno ser que em menos de dois anos, aprendeu a falar, engatinhar, andar, correr, pular, fazer birra, charme, sorrir, gargalhar, brigar e brincar com os gatos que temos em casa. Sem contar as milhares de coisas que apenas quem convive com ele tem o privilégio de ver. Há momentos que marcam um ano inteiro, um sorriso com o timming perfeito pode mudar tudo que o eu pensava que eu sabia da vida. Atualmente estou na fase do “queria que tudo tivesse passado mais devagar, ou que eu pudesse ter um controle remoto para rever aquele sorriso, aquela birra no shopping ou até mesmo aquele capote no sofá” esses momentos passam de maneira implacável e só ficam na memória.

Filho te amo. E que você seja abençoado a cada dia! Aproveite sua infância, pois daqui 3 dias, você ficará mais velho e nunca mais terá 1 ano de idade…

=D

Leia Mais

A vida se vai, o amor permanece!

Hoje fui linkado por um amigo no vídeo abaixo. Trata-se de um homem, com idade aproximada a minha, com uma linda filha de sete meses. O vídeo é “simplesmente” uma despedida. Nick (o pai) esta com câncer terminal. Vejo o vídeo, seque as lágrimas e continue lendo o post.

Chega a ser trágico, como nos apegamos as coisas pequenas, problemas pequenos, intrigas minúsculas. Somos egoístas por natureza? Ou somos contaminados pela sociedade e cultura em que vivemos? São perguntas que eu não sei responder, pois não é a minha área de estudo, mas são perguntas que gostaria de ter a resposta.

Esse vídeo me fez pensar o que realmente vale a pena na vida… viver!

Parece um clichê e pode até ser, mas muitas vezes, perdemos um tempo precioso brigando com familiares, pais, mães e filhos(as), esse tempo NUNCA mais vamos recuperar, pois o tempo é implacável e impiedoso. Você acha que estou sendo dramático demais? Fala isso para o homem do vídeo acima, que não verá nem o aniversário de 1 ano da sua única filha, não verá sua apresentação na escola, não participará de nenhuma reunião de pais e mestres, muito menos fará cara de mal quando o primeiro namorado da sua filha, bater na porta da sua casa. Vamos aproveitar o tempo que temos com quem amamos. Pois quando partimos dessa para uma melhor(ou não) só o amor permanece.

Despedida
No vídeo a esposa pergunta se ele pudesse resumir o que sente em apenas uma palavra, qual seria? Ele vai e me responde ABENÇOADO!
putaquepariu! Suor escorre dos olhos… rs 

Leia Mais

As pequenas coisas da vida

Pequenos atos, podem e fazem uma enorme diferença em nosso dia a dia. Um “- Bom dia” seguido de um sorriso sincero, um olhar complacente à alguma boa ação, um “- Saúde” após um espirro de um desconhecido, entre outras pequenas atitudes que podem mudar o rumo do seu dia. Imagine você vivendo em um mundo sem “gentileza”, não por um dia, ou por uma semana, mas por anos. Um lugar onde ao menor deslize gentil, fosse encarado como algo desprezível. Daí você pára de ler o texto e se pergunta “Mas que merda de cogumelo o Bruno (autor do blog) comeu!?” – Nenhum. Apenas acordei com essa sensação de que a cada dia que passa, estamos menos gentis com o próximo e nem sempre a culpa disso é nossa.

Quinta feira passada, um rapaz veio no meu portão enquanto eu pagava o motoqueiro que trazia a “janta”, pizza. O rapaz tinha uma idade média de uns 30~40 anos. Uniforme de trabalho, cabelo bagunçado como qualquer pessoa que suou o dia todo no serviço e pegou busão lotado para voltar para casa. Ele me pediu um dinheiro para por gasolina em seu carro, pois sua esposa estava na maternidade tendo o seu bebê prematuro de 7 meses, ele realmente passou sinceridade, pois quem me conhece sabe como eu sou com dinheiro… rs… Pior que o tio patinhas… kkkkkkkkkk Ele falou que sua esposa havia saído de casa e levado seu cartão e seu carro estava na garagem da casa dele sem nenhuma gota de gasolina, ele me mostrou a carteira do convênio Porto Seguro, seu crachá do prédio onde trabalhava de porteiro. Para testa-lo ofereci cinquenta reais, para ver a que ponto chegaria a sua ganância, caso fosse uma farsa (que não me pareceu em momento algum), ele respondeu sincero “- A maternidade é na Av. Paulista, acho que trinta reais dá para ir e voltar de boa, dai amanhã nesse mesmo horário eu te devolvo” Ele me agradeceu horrores, falou que estava envergonhado de ter que pedir dinheiro emprestado, mais realmente era uma emergência e tal. Emprestei ciente que se fosse uma farsa, aprenderia uma lição barata (30R$) e se ele devolve-se o dinheiro, aprenderia uma lição MUITO valiosa, que pessoas honestas não são tão raras assim no local onde eu moro… hoje é segunda feira e eu aprendi uma lição barata.

Me entristece contar isso para vocês, mas é um modo de aliviar esse sentimento que estou sentindo. O cara teve a manha de usar um bebê prematuro para ganhar trinta reais?! Chega a me dar raiva. O bebê pode até existir, ou não, o ponto é o valor do caráter de alguém, como pode valer apenas 30 R$. 

Se pudesse voltar no tempo, creio que novamente emprestaria o dinheiro, não por querer ser o caridoso nem nada, até porque não sou muito de caridade não… mas isso é assunto para outro post, mas o ato que eu tive, foi um ato de esperança, esperar que realmente fosse verdade, esperar que realmente eu havia ajudado um pai a ver seu filho prematuro, ajudar uma família a se reunir, sei lá… acho que depois que tornei-me pai, amoleci (no bom sentido…rs).

Minha esperança foi abalada? Sim, porém, continuo acreditando que não é nesse mundo que eu quero que meu filho viva, por isso farei dele um homem digno, para que seus filhos, talvez, vivam num mundo melhor.

Para ilustrar meu texto, segue esse vídeo bem bacana!

Leia Mais

Reabrimos a porteira dos bebês!

Tenho uma afilhada de sete anos, linda, comunicativa e adora rosa, ela foi a primeira bebê do grupo de amigos, a porteira foi aberta, mas anos se passaram e ninguém mais teve bebê, fechou-se a porteira. Após quase 6 anos, Naty e eu tivemos o Nico e em seguida um… dois… TRÊS casais amigos ficaram grávidos com diferença de poucos meses, a porteira foi arrancada por um caminhão russo em alta velocidade kkkkkkkkkkkk.

Como ainda não pensamos em ter outro bebê, estava com medo do Nico não ter muitos amiguinhos em sua infância e eu não moro num bairro muito bom para deixar o moleque brincando na rua, mas o medo passou, pois “primos” é que não faltarão! Daqui alguns anos nossos encontros, que já são animados porque falamos muita merda, jogamos poker, discutimos sobre OVNIS, conspirações, política moderna, memes e afins, estará lotado de crianças correndo, gritando, brincando e brigando, interagindo umas com as outras… Uma nova geração de amigos, fruto da continuidade das nossas amizades. Pode ser pouco para muitos, mas para mim é algo muito lindo. Atualmente manter uma amizade é muito difícil, eu digo uma amizade de verdade mesmo, não coleguismo de internet, mas AMIZADE.

Engraçado as mães e pais amigos, curiosos, temerosos, assim como Naty e eu éramos (e ainda somos… rs), nos perguntam coisas que vão além do nosso raso conhecimento sobre o assunto, mas mesmo assim tentamos ajudar, hoje é tudo mais fácil pois temos o google como aliado, se bem usado é lógico, além de livros, blogs especializados, avós supersticiosas. É gratificante ver seus amigos homens, alguns bem aloprados, crescendo como pessoa. A mulher se torna mãe na gestação há de fato um crescimento interno e externo hahaha, mas para o pai é muito diferente, mas não deixa de ser uma “gestação” também. Em minha opinião, um pai nasce junto com o bebê e cresce junto, antes disso somos apenas homens cumprindo papel de marido, mas a paternidade acontece mesmo quando vemos o bebê ali na nossa frente chorando, com fome, com cólica, pediatra, paciência, noites mal dormidas e etc… E quando digo pai, não me refiro a quem gerou o bebê, mas sim a quem faz o papel paterno um avô, um tio, um padrasto e etc. Óbvio que cada caso é um caso, sei que existem pais que trabalham muito, tem pouco tempo e etc… eu preferi abrir mão de algumas coisas, para ser um pai presente, quero fazer parte da educação do Nico, não concordo com esse papo que quem educa é a mãe… mas foi o que eu disse, essa é a minha opinião. Adoro poder dar banho nele, servir o jantar, brincar, ver Cocoricó junto dele e etc, isso não me faz menos homem, pelo contrário me faz mais pai. Para mim essas coisas não tem preço, daqui um tempo volto para minha área e pau no gato, mais esses primeiros anos são tão importantes para o desenvolvimento da criança que não acho justo comigo e nem com ele eu não participar. 

Já ouvi alguns “eu não me vejo como pai de ninguém” e digo que essa insegurança é normal, faz parte da conscientização da paternidade. Ontem mesmo falei com um casal sobre as preocupações que os esperam… Quarto do rebento, decoração, plano de saúde, mobília, carrinho, chá de bebê, vacinas pagas e etc, depois que voltaram do coma (brincadeira) expliquei que muita coisa deve ser feita, porém cada minuto investido, cada centavo gasto, cada vez que abrimos mão de algo pelo nosso filho vale a pena!

Deixo aqui meu apoio à estes casais que tanto amo, que seus bebês venham com saúde e junto com eles uma imensa quantidade de felicidade e alegria para cada uma dessas famílias. E deus nos dê paciência, porque daqui uns 3~4 anos nossos encontros serão pura gritaria kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

 

=P

Leia Mais

Não! Tchau! Acabou…

Não! Tchau! Acabou…

Essas são as três palavras que o Nico não gosta de ouvir. E quem gosta? rs

Quando ele tenta pegar o óculos do meu rosto, falo com veemência “NÃO!” e ao menor sinal de desgosto, ele já faz aquele bicão, seguido pelo choro ou choramingo, depende do humor do bendito Nico.

É engraçado pensar que na verdade, ninguém gosta de ouvir um sonoro “NÃO!”. Deixando de lado um pouco de orgulho e bom samaritanismo, sabemos que lá no fundo o “não” nos corta, nos fere narcisicamente, machuca nosso EU. “Quem é você para me dizer NÃO!?” Já ouviram essa frase? Trocando em miúdos, quando você demanda alguma coisa e alguém te fala “Não!” você se sente castrado, diminuído e percebe que o mundo não é apenas o seu EU, existem vários outros EUs por ai, tão narcísicos quanto você.

Sendo assim, podemos concluir que o “NÃO!” não deve ser dito para seu filho(a), correto? NÃO! Pelo contrário, o “NÃO” assim como o “SIM”, devem ser utilizados de maneira consciente, ensinando ao seu bebê como se portar socialmente, impondo limites, pois seu filho(a) assim como você é um “bicho social” e é a cultura que nos diferencia dos outros bichos.É mais fácil ele aprender a lidar com o “NÃO!” desde cedo, em casa e com afeto, do que aprender do jeito HARD na vida a fora. Já fiz um post aqui no blog, sobre A TURMA DO EU ME ACHO, que tem um pouco haver com este assunto, se quiser ler é só clicar aqui. Se você não tiver medo de refletir, verá que até para nós, adultos, é difícil ouvir um “não” na grande maioria das vezes, podemos colocar vários obstáculos na frente para não enxergar, mas a cada “Não!” que ouvimos e falamos nós crescemos. Qualquer dia faço um post mais elaborado sobre o “NÃO, e a dificuldade de ouvi-lo e dizê-lo”.

Tchau! O que é o tchau, adeus, até logo… despedida. Um indício de perda. O rastro de algo que partiu. E quem gosta de perder? Seja alguém amado ou no “par ou impar”? Já ouvi por ai “é bom a criança ter cachorro desde pequena, para quando o cão morrer, a criança aprender a lidar a perda do bichinho”, penso um pouco diferente, creio que no dia a dia, podemos ensinar o bebê a lidar com esse sentimento, a perda(no sentido mais interior da palavra, a morte) é algo inevitável na vida de todos nós, e não será diferente com o seu bebê, não há necessidade de morrer um cachorro ou gato, para ele aprender a lidar com o luto, consequentemente com a perda. Creio que com pequenas ações podemos “facilitar” essa lição de vida. O pai vai na padaria, dá um tchau para o bebê, a mãe vai trabalhar abane a mão e diga tchau para o seu bebê, visitas, padrinhos, avôs e etc… evitem sair escondidos de casa na hora de ir embora, dê tchau para o bebê, mostre que você veio, porém teve que partir e assim aos poucos, ele entenderá que vocês foram embora, porém voltarão, mesmo que este voltar seja ilusório(até para nós). O bebê se sentirá frustrado naquele momento? Sim, mas em passos de formiga, aprenderá a lidar com a perda, a frustração, a ansiedade, o luto, a sinceridade e etc.

Após todas as refeições do Nico, eu digo “acaboooooou”, antigamente, ele quase sempre chorava, hoje em dia ele continua chorando kkkkkkkkkk, mas é um choro de quero mais, mesmo sem fome, um choro de saudade do alimento que ainda não comeu. Acabar corresponde à um chegar ao fim de alguma coisa, não é necessariamente negativo, acabar uma lição de casa significa que a sua tarefa acabou, e você pode ir jogar vídeo game, quando o pudim de leite condensado acaba, significa que ele chegou ao fim, dando espaço à outra sobremesa. Quando algo acaba, significa que chegou ao fim, e conheço muita gente que tem dificuldade de chegar ao fim de seus objetivos, metas e sonhos, quero que através de pequenas metas, Nico saiba que o ato terminar algo não deve ser visto como algo negativo, pois viver é muito mais do que preto no branco, muito mais que ruim ou bom, certo ou errado… Estou educando um ser pensante e para isso é necessário aprender a lidar com a parte difícil de viver, o Não, o tchau e o acabou! 

Não tenha uma visão errada de mim, pelo modo que eu educo meu filho, creio que você que esta lendo esse texto deve estar me achando um escroto, ditador e etc(escrevi “foda-se”, mas apaguei, só estou dizendo isso aqui, justamente para mostrar que eu não sou perfeito, muito menos dono da verdade) não é bem assim, eu estou tentando educar o Nico da maneira correta(para mim e não para toda a sociedade, vários EUs, lembra? rs ), assim como meus pais me educaram da maneira correta(para eles) e assim por diante, das coisas que tento(veja bem TENTO) ensinar para o Nico, ai estão os pontos mais complicados a serem discutidos. Imagine a educação como uma salada, cheia de temperos e condimentos, uns preferem mais sal do que outros, outros preferem mais pimenta e assim por diante, tudo isso dito acima misturado com afeto, atenção, cuidados, boa alimentação, asseio e amor, muito amor, brincadeiras, estímulos sociais e etc… pode ter certeza que dessa salada eu partilharei!

Deixo claro que esta é a minha opinião sobre esses temas,  não sou médico, psicólogo e muito menos a voz da verdade, sou apenas um pai tentando não errar muito. Cabe a você, refletir meu ponto de vista e concordar ou não. Os comentários estão sempre abertos para discussões sadias.

PS. Usei pudim e salada como exemplos, acho que estou com fome, vou almoçar… bom apetite! rsrs

 

Bjss e até breve! Sem choro hein! kkkkkkkkkkkkkkkkkk

 

=P

Leia Mais

Primeiro Aniversário do Nicolas – Um ano especial

Queridos(as), há um ano eu escrevi o post abaixo, informando aos leitores, amigos e familiares, que Nicolas havia nascido, vou reler o post com algumas observações. Espero que vocês me acompanhem!!!

20/06/2012

Sim queridos, nasceu! Após 39 semanas e 5 dias… Nicolas veio ao mundo(Afff que noob…rs)

Com fartos, 4.520 kgs e seus 53 cm chegou aos gritos no berçário acordando os pequenos que já estavam lá.

Ele continua noob, com bônus em choro, manha, baba e fazer xixi na hora que estamos trocando a fralda. Atualmente com 9 kgs e mais de 75cm. Engatinhando profissionalmente e já tentando uns passinhos. Quando pequenino, colocava MPB para ele ouvir, na hora de dormir, cantava para ele, hoje em dia ele prefere música mais agitadas e quase me ajuda a cantar…

Senta, que lá vem história! rs

“Cadê o pai?” gritou a médica de plantão. Eu (já meio lesado) levantei a mão, ela gritou novamente, “CADÊ O PAI” dai lembrei que tinha que responder coma voz, pois a bendita estava na outra sala, gritei “Tô aqui!“. Entrei na sala e já tava tudo pronto, mais alguns minutos de espera, algumas interjeições de outros médicos que estavam ali vendo o parto… Coisas do tipo “Vish…” “Nossa!” … agradeci aos céus por eles estarem só assistindo, porque sem dúvida também era o primeiro parto deles…rs…

Cadê o pai? O pai esta aqui! Trocando fralda, levando no pediatra, para o matadouro ( vacina… rs ), começando a educa-lo ( ele tá com mania de querer morder quando fica bravo… posso com isso??? rs ). Nesse instante estou com ele aqui do meu lado, dando palpites no meu texto, ao som de galinha pintadinha volume 3… sim quase 2am e ele ligadão… normal ( para ele e não para nós…rs ).

Nicolas nasceu “causando” na S.O. Gritando feito um corinthianos em semi-final de Libertadores (espero que ele seja pé quente =P)!

Sim, ele é pé quente, Timão campeão da Libertadores, do Mundial de Clubes e do Paulistão… esse se não for corinthiano, só pode ser mentira! Além de ser pé quente no futebol, comemora seu 1º aniversário junto com a democracia, o povo, as manifestações e no mesmo dia em que o povo venceu o braço de ferro contra as prefeituras que aumentaram as passagens de transporte público. Uma luz no fim do túnel, nossa geração lutando pelo bem estar da geração do Nicolas e de todos que com ele vão colher os frutos que nos estamos plantando. Um exemplo que nossos filhos, sobrinhos e netos devem seguir, sair às ruas, pacificamente, mas, seguros de que estamos lutando por algo que nos é de direito. Entre as frases desses manifestos a que mais falou comigo foi a seguinte: “Enfim o Brasil muda de status: de “Deitado eternamente em berço esplêndido”, para: “Verás que um filho teu não foge à luta”.”

Um dos médicos noobs pediu para tirar foto do bebê, porque nunca havia visto um bebê tão grande. Autorizei com um sorriso de besta na cara.

Não me pergunte o que eu senti na hora H, é algo único, um misto de muita coisa, sensações, emoções e projeções.

Continua sendo difícil descrever a paternidade, é uma salada mista de sentimentos, emoções, eventos, experiências e muito amor. Nicolas parece que desde a primeira foto, continua fotogênico ( sim, sou pai dele e posso puxar o saco o quanto eu quiser kkkkk ) Para quem quiser se apaixonar ( visssh peguei pesado agora kkk ) acessa ai @bbonfimm ( no instagram ou se preferir… http://www.iphoneogram.com/u/192327966 ).

Saúde é o que interessa… o resto não tem pressa… Issssááááá… Nicolas esta cheio disso ai! rs

Apenas alguns resfriados e mais nada de doenças, vacinas em dia… tudo na paz!!! Por falar nisso, amanhã ele tomará as vacinas de 1 ano kkkkkkkk tá ferrado! rs

O momento mais marcante(parece até o que vi da vida, do fantástico né…rs) Quando a Naty e o bebê ficaram frente a frente, ele parou de chorar, os dois rostos se encostaram, foi lindo. O bebê ficou quieto e Naty e eu chorando feito single ladies…rs Bom, agora assunto não faltará para continuar a escrever, por hoje termino aqui, agradecendo aos que me ligaram, mandaram sms, sinal de fumaça, agradeço à todos que torceram para que desse tudo certo. Agradeço a Naty por me proporcionar esse momento inesquecível na minha vida. Aos avôs e avós que ficaram de plantão lá comigo, me apoiando e me tranquilizando. Agradeço a Deus.

Os avôs e avós continuam mimando, presenteando e fazendo de tudo pelo Nico, meu grato e eterno agradecimento, sei que palavras nunca pagarão tudo o que vocês fizeram e fazem por nós. <3

Padrinho e Madrinha, sem palavras…

Tios, tias e amigos sempre que possível também estão juntos conosco, participando do desenvolvimento do Nicolas.

PS. O comum é cada bebê mamar 1 mamadeira por vez, o Nicola já mandou logo duas…rs “Põem na conta do Papa!”

Sim, ele continua comendo MUITO e de tudo. Fruta, macarrão, arroz, carne, pão, leite materno e etc… o menino é um saco sem fundo kkkkkkkkkkk

PS2. A Enfermeira perguntou se a Naty sofria de Diabetes Gestacional, por causa do tamanho do bebê, dissemos que não, ela retrucou “Então parabéns, vocês fizeram um tourinho!”

Ele cresceu muito, é bem alto, mas não é gordo… só tem uma pancinha, tipo aquelas de chopps… Mais ou menos isso!!! rs

PS3. Quase 05:20am e eu aqui blogando!

Quase 4h e eu aqui outra vez!!! rs

Obrigado Nicolas por fazer deste ano, um ano especial, inesquecível e realizador. Obrigado meu filho, pela oportunidade de ser seu pai. Te amo mais do que a mim mesmo. Te amo.

=D

Leia Mais

O que será que ele pensa?

Dia desses cheguei em casa, abri a porta e lá estava ele, Nico sentado no carrinho, com uma perninha no banco e a outra pendurada por cima da alça, com a correntinha do prendedor de chupeta no dedo. Abro a porta e sempre chego com um sonoro “Oi bebê do paiiiiii… Nicooo” e um beijão na bochecha gorda dele. Normalmente ele me recepciona com barulho e balançar de mãos, mas esse dia, ele sorriu para mim. Não uma risada de cócegas, mas um sorriso, banguelo e sincero.

Na primeira vez fiquei emocionado, Naty até me zuou, pois não costumo ser muito emotivo, mas meus olhos encheram de lágrimas… Ele sempre sorria para mim, em ocasiões diversas, mas na minha chegada em casa, no momento em que eu abri a porta, foi a primeira vez. Aquele sorriso reseta tudo de ruim que possa ter acontecido no meu dia, meu mal humor(que as vezes é foda…rs), minha fome, meu cansaço… nada é páreo para aquele sorriso.

Sempre fico pensando “O que será que esse menino deve pensar quando me vê?”. Sei que ele já associa, mas com o que? Com risada? Carinho? Comida? Banho? Com sono? hahaha.  Creio que seja uma questão que nunca irei descobrir… mas fica aqui registrada minha curiosidade…rs
A pergunta do título “O que será que ele pensa?” não é feita por mim, mas, para mim, vinda do Nicolas, pois creio que ele também não entenda o que a minha chegada represente, mas mesmo assim, de alguma maneira, há felicidade em me ver, e respondendo a pergunta do Nico, eu penso que ter tido você, foi a melhor decisão que tive em minha vida.

 

Desculpe o tempo sem escrever um post, prometo melhorar meu comprometimento com o blog e com vocês. Na verdade o comprometimento com o blog está ok, não to postando porque estou trabalhando no novo layout do Aventura Paterna!!! Agora vocês me respondem “foda-se, arruma tempo e posta coisas novas”… eu abaixo a cabeça e digo OK… Aaaaaaaaaaaahhh também estou trabalhando nos reviews das fraldas e brinquedos, dá trabalho pacas né… tenso!

 

Bjs

Leia Mais

Um novo ciclo de natal

Esse natal foi um pouco diferente do normal, nunca tive uma família muito ligada ao natal, nosso foco sempre foi o ano novo juntos, natal era cada um por si… rs. Esse ano me dei conta que eu tenho que começar a comemorar o natal de uma forma diferente, ainda não sei como, mas diferente, afinal agora eu tenho a minha família e gostaria que o natal para o Nico, pelo menos por alguns anos, fosse algo especial. Não apenas pelos presentes e pela ceia(gordo é foda), mas pelo espírito do natal, sou da opinião que não precisamos de uma data para perdoar ou pedir perdão, mas é fato que no natal os corações amolecem, o orgulho já não tem mais tanta certeza de que esta totalmente certo, revivemos alguns momentos passados com outro olhar, o olhar do outro.

Penso que no Natal, é bem mais fácil ser bondoso, uma simples visita há um orfanato, ou algum hospital infantil consegue mudar a visão de mundo de qualquer pessoa mentalmente saudável. Já tive a oportunidade de fazer as duas visitas que citei acima, e digo que cada uma delas matou um pouquinho do espírito natalino que eu possuía, não no sentido ruim, mas no sentido real. No orfanato fui com a minha família, entregamos brinquedos, tomamos café com as crianças e em poucos momentos, nós éramos o mais próximo que elas tinha como família, a cada minuto um garoto me dizia que sua mãe em breve chegaria, perguntei para a moça que cuidava do orfanato e ela me contou que o garoto havia sido deixado lá há mais de 5 anos e nunca tinha recebido uma visita, me peguei pensando como posso ser tão mesquinho no meu dia a dia. Como posso ficar “putinho” com tanto coisa idiota, frente a esse garoto. Isso é natal, é encarar o que fizemos no ano e ter a coragem de dar um pedaço de carvão á nós mesmos. “Fulano me deletou do facebook, cicrano me bloqueou do twitter, galera marcou algo, não me chamou e ainda postou fotinhos no instagram…”. Para você que ainda esta lendo esse texto, reparou que natal me deixa pessimista e um pouco melancólico, mas é por isso, pela realidade que o mundo vive em todos os outros 364 dias do ano, e que nos lembramos apenas no natal. Gente passando fome, guerras acontecendo enquanto eu como meu chester, enquanto engordo alguns quilos na noite de natal, mendigos comem sopa no centro da cidade, dada por pessoas que fazem a diferença nessa data de nascimento, renascimento, o que é o nascer, se não um novo ciclo?

E quando os ciclos terminam? Fantasiado de palhaço visitei crianças no hospital do câncer, em um outro natal, nunca fiquei tão triste em minha vida, mais um péssimo natal para mim, mas um bom natal para eles, cheios de esperança, alegria, agarrados a um fio de vida, alguns sem força até para levantar de seus leitos para receber os presentes dos palhaços,  que de tempo em tempo choravam e saiam da sala, abraçávamos as mães, e elas num choro tão sincero nos apertava como se estivesse renovando suas forças para mais uma noite sofrida, acordada e sentada em uma cadeira improvisada de hospital, sem saber se no dia seguinte poderia abraçar seu filho, seu menino… é este natal que quero voltar a viver. Há anos que não fiz mais nenhuma coisa boa no natal, só visitei amigos, abracei familiares, comi ceias maravilhosas e me esqueci desse outro natal.

Abracei o meu filho na virada da meia noite, e tive a certeza que hoje nada é mais importante para mim do que seu bem estar, sua formação, espero que um dia ele leia isso e saiba que este é o espírito de natal que ele deve ter, presentes são bem vindos? Lógico que são, mas não devem ser a regra do natal. Penso que esta é uma data no ano que podemos realmente fazer diferença para outras pessoas, podemos ser o natal delas.

Que todos tenham um ótimo fim de ano.

Leia Mais

O necessário

“Eu digo necessário
Somente o necessário
Por isso é que essa vida eu vivo em paz”

Mogli

A enfermeira e tia Bia é a responsável pelas vacinas do Nico. Ela sempre fez questão de aplicar cada uma delas, mas já deixou claro que a partir dos 6 meses de idade não faria mais essa “maldade” com o Nico “tenho medo de que quando ele me veja, já me associe com picada de injeção!” hahahaha. Nunca fui muito a favor de vacinas(as mães pira), mas, nem por isso, deixo de dar as vacinas do Nico em dia. Eu já sou marmanjo, tenho 26 anos e ainda estou vivo, mesmo sem vacinas, isso é história para um outro post.

Nico é fortinho para vacina, nunca teve reação(febre, vomito e etc), mas por precaução, em dia de vacina, ele dorme conosco na cama, para facilitar tirar a temperatura na madruga… Na semana pós vacina, Nico fica manhoooooso, faz biquinho de choro, é engraçado quando aprendemos(pela convivência) a detectar o tipo de choro do bebê, de manha, de fome, dor ou cólica(um tipo FILHODAPUTA de choro), sono e etc… é realmente uma linguagem a parte.

Para quem esta de fora, na platéia(amigos, familiares e etc) choro = choro, mas, para quem vive junto choro = N’ alternativas. Já ouvi muito “ele tá com fome, certeza!” o moleque acabou de mamar, “não é cólica não?” ele já tem 5 meses, cólica é coisa rara agora, “acho que é o ouvidinho” você pega ele no colo e o choro “milagrosamente” pára… Quem já teve mais de um filho, sabe que mesmo gêmeos são diferentes, eu só tive um(ainda) mas convivi com outros bebês MUITO diferentes. “No atacado e no varejo dos bebês”, a coisa muda muito hahaha.

Fico curioso a cada mudança comportamental do Nico. Ele já esta começando a atender(virar a cabeça) quando ouve seu nome, mas, dependendo do humor(sim, ele já tem algo parecido com humor…rs…) ele não dá a mínima. Naty luta 2 guerras por dia, dar de mamar e trocar a blusa dele. Para essas duas ações a paciência dele é curtíssima, diminui o fluxo do leite, já abre o berreiro, fica virando os braços, tenta levantar do colo… sim LEVANTAR DO COLO, no melhor estilo  “fuck that shit!”. Após o banho(ele adora banho), fralda CHECK, calça/bermuda CHECK, meias CHECK, colocar blusa = transformação em Hulk Mirim.

Dormir no berço em um horário aceitável(antes das 22h) é a minha guerra diária, como trabalho fora, tenho pouco tempo com o Nico, então faço questão de 2 coisas, dar banho nele e coloca-lo para dormir, é o nosso tempo juntos. Mas a cada dia na “guerra do sono” tenho que mudar de estratégia, para conseguir vencer, ainda estamos longe das 22h, mas, um dia eu chego lá… r. Já demorei cerca de 2h para coloca-lo para dormir e ele dormir apenas 30 minutos, o reloginho biológico dele, deve estar no horário do Japão… só isso explica… rs

Posso continuar aqui dando exemplos de ações e escolhas necessárias(pelo menos eu penso que sim), que tomo no dia a dia, para o bem estar e educação do Nico. E por que raios você disse tudo isso Bruno? Cadê o começo meio e fim dessa p%$@ de post. Simples! Como pai, faço coisas, no dia a dia, que pode causar dor ou “dor”, porém, são necessárias para os pequenos. Chorou quando mamou? Então tira o leite e dá fórmula? Lógico que não, seja paciente e tente dar mais leite. Ele não gosta de vestir a camisa, blusa ou camiseta? Deixa pelado? Não, coloca mesmo que contrariando o bebê, para evitar uma gripe ou algo pior, se ele chorar, acalme-o. São ações necessárias, seja para nós, pais, ou seja para eles, filhos. E as coisas continuarão assim para sempre, só mudarão as ações e os chiliques… rs

Eu tive noção disso ontem, quando após o banho Nicolas chorou MUITO para ser trocado, berrava, gritava, batia braços, estava igual a música “ah que isso, elas estão descontroladas…” dai perguntei para Naty, quando será que isso acaba e ele entenderá que o que estamos fazendo é necessário… ela me respondeu de uma maneira bem maternal, nunca!

Só devemos(e incluo vocês, pais e mães, nessa também!) tomar cuidado para não engolir as escolhas, opções e subjetividade de nossos bebês, transformando eles em extensões de nosso eu, isso seria trágico, para não dizer triste de diversas maneiras… Aprecie com moderação e parcimônia, igual a cerveja =P

(Quando tiver 10 anos Nico, favor reler este post, para evitar se frustrar por toda a sua adolescência e juventude… rs).

E vocês mães e pais de plantão, já se sentiram assim alguma vez? Comenta ai!

Leia Mais