A fala e a educação

fala

Após se segundo aniversário, Nico está desenvolvendo rapidamente sua fala. Já até cantarola algumas músicas, dentre elas o “Cai cai balão” e o “Brilha, estrelinha brilha…” Que já estão me dando dor de cabeça de tanto ouvir kkkkkkkk

O menino não pode me ver quieto que já vem “Cai cai, papai…” ou com sua voz fininha e desafinada “Bida biiiiiiidaaa” só não aprendeu o estrelinha ainda kkkkkkkk É muito engraçado ele assistindo a desenhos educativos, ontem peguei ele falando “A, E, I, O, U” junto com o desenho. Mas ele adora mesmo são as músicas, meche a cabeça, faz movimentos lentos com as mãos, rodopia sem parar, um aspirante à dançarino. 

Tudo que explicamos para ele é entendido, porém, muitas vezes é acompanhado pelo “humm”: Nico sai daí. Hum? Nico sai daí filho. Hum? Nicolas sai daí agora! Hum?! Bidaaa bidaaaaa papai? kkkkkkkkkkk  ¬¬

Optamos(sim, pq tem gente que educa na paulada msm…rs) por educá-lo sem violência física, vez ou outra rola um tapinha na mão, mas não mais que isso. Ele tem uma “poltrona do pensamento”. Quando faz algo errado, pela segunda ou terceira vez, ele vai para a “poltrona do pensamento” e fica lá por 1~5 min sem brinquedos, quando ele fica de saco cheio do castigo, coisa de 1~2 min depois, ele começa a nos chamar e tenta nos “ganhar”, não entendeu!? Exemplo: Naty o coloca de castigo, daí ele me chama “papai, óh a mamãe óh” e o contrário quando eu o coloco. Ele é bem ligeiro, mas nós (ainda) somos mais. Temos bem fechado a nossa maneira de educá-lo, não nos contradizemos e sempre conversamos longe dele sobre o assunto.

Até o momento a poltrona esta funcionando, quando pela segunda vez ele joga a água no chão da sala com caneca nós perguntamos “Nico você que ficar de castigo?” de imediato ele respondo “não não” e balança a cabecinha safada dele! rs

A cada dia que passa ele aprende novas palavras, novos meios de comunicação e se aproxima da nossa linguagem. Sinto-me feliz e ao mesmo tempo triste, ser pai também é confuso! Pois quanto mais ele se desenvolve, mais ele se afasta da inocência que o faz tão puro e se aproxima de nós adultos.

Leia Mais

Foda-se “O Dia das Mães”

Calma, calma… antes de deletar meu blog dos favoritos, me xingar no twitter ou descurtir minha fan page, deixe-me esclarecer o título do post.

ODEIO datas comemorativas comerciais! Dia das mães/pais/crianças/namorados/etc… Dar um bom presente para sua mãe não significa que você ama a sua progenitora, pois na maioria das vezes você compra qualquer coisa que deu tempo ou que a grana permitiu. Sua mãe não quer apenas presente, ela quer você PRESENTE! Ligar para mãe, pai e etc, uma vez por ano não significa que você é grato por ter nascido, ou agradeça por sua educação e afeto recebido quando bebê e criança, ligar uma vez ao ano, coincidentemente na data comercial e comemorativa do dia X significa que você é egoísta. E presente nenhum no mundo irá mudar isso. Pague afeto com afeto.

Eu tenho a sorte de ter minha mãe viva e presente em minha vida. A mesma sorte que meu filho tem com a mãe dele, no caso, Naty, minha esposa. Mas para você que já perdeu sua mãe, nessa data lembre-se dela e dos bons momentos que passaram juntos. Lembrando que mãe não é apenas a que dá a luz, sua mãe pode ter sido sua avó, sua tia, uma desconhecida que por algum motivo achou que sua vida precisava de um brilho diferente e te adotou. Mãe, pai, criança, namorada e etc… devem ser lembrados diariamente. Óbvio que não temos tempo hábil para ligar e bater papo com a mãe, pai, os índios (pois também temos dia do índio… =P) mas pelo menos uma vez na semana é impossível não ter alguns minutos para dedicar à alguém que te dedicou a vida.

 

Sendo assim, foda-se o dia das mães e todas as outras datas comerciais. Dê presentes que te lembrem e seja especial para a pessoa presenteada, seja seu pai, mãe e etc… Não dê apenas por obrigação ou pior, por desencargo de consciência.  Lembre-se, afeto gera afeto.

Um excelente domingo para todos, e talvez hoje pode ser um bom dia para fazer uma ligação para alguém especial, seja mãe, pai, namorado(a), afilhado, filho(a)…

Bjss

Leia Mais

Problemas com Palavrão?

Mesmo antes do meu bebê nascer, já me preocupo com esse tema PALAVRÃO. Sei que isso é inevitável, creio que pelo menos 1x na vida até os mais “certinhos” já soltaram um palvrão bem cabeludo…

 

… um sonoro Filho da Piiiiiii.

… um libertador Fod#%-se.

… um expressivo Vai tomar no meio do olho do centro do seu C*(Direitos reservados ao meu amigo Kana)

Realmente tenho alguns problemas com palavrão, é meio que vírgula para mim… Se vacilar quero usar até nas monografias “Na semiótica de Pierce, temos como certeza apenas um apontamento, comunicar-se é FODA PÁ CARALHO!” Brincadeira….rs… Quando escrevo para pós, me controlo…rs

Antes mesmo do bebê nascer, já estou procurando uma maneira de reduzir a “boca suja”.

Se até aqui você já esta torcendo o nariz para o meu texto, então, infelizmente não posso ajudar(ver tabela)

palavrao
(Clique para ampliar)

Muito prático não? Não ensine seu filho(a) a falar palavrão, é para isso que existem sobrinhos, tios, primos e similares… rs… mas que é uma graça ver crianças falando palavrão, ainda mais errado, é né?! Admita!

Como você agiria nessa situação?! Você acredita que o palvrão ainda é um tabu?  Deixe seu Comentário.

Edit: Horas depois desse post, meu amigo Rafael Vieira, me mandou esse vídeo >> http://youtu.be/EPCiW2xFKf4

 

Leia Mais